quarta-feira, 25 de março de 2020

MEDIDA EMERGENCIAL PARA ÔNIBUS CHOCA COM ANTIGA "OTIMIZAÇÃO"


A medida adotada pelo prefeito Marcello Crivella de não permitir que passageiros viajem em pé nos ônibus municipais do Rio de Janeiro é motivada pela pandemia do Covid-19, doença causada pelo coronavírus, cujos efeitos principais incluem febre alta, tosses intensas e problemas respiratórios, que podem causar a morte, como vem ocorrendo com milhares de pessoas no mundo inteiro, inclusive no Brasil.

A medida para restringir as lotações nos ônibus é uma medida emergencial, para reduzir o risco de transmissão de coronavírus num ambiente de muitos passageiros. Outra medida adotada é, quando há janelas móveis em ônibus com ar condicionado, elas são desprendidas, o ar é desligado e os ônibus circulam com janelas que podem ser abertas para entrar o ar natural.

O curioso é que a medida de limitar as lotações de ônibus se choca com os efeitos naturais que a antiga "otimização" dos trajetos de linhas municipais do Rio de Janeiro, adotado em 2015 e parcialmente desfeito a partir de 2016 - até agora, por exemplo, as linhas troncais não voltaram à antiga numeração e trajetos como a 275 Méier / Candelária não deram lugar aos antigos ramais para a Zona Sul (no caso, a antiga 475 Méier / Jardim de Alah) - , chegou a provocar.

Isso porque, com a proposta do fim da ligação Zona Norte - Zona Sul, haveria baldeação que iria sobrecarregar principalmente as linhas do Centro. A redução das frotas pela metade e a transferência de demanda de linhas da Zona Norte para as linhas da Zona Sul que partem da Central (que já estariam bastante lotadas ao saírem do referido terminal) iriam provocar a superlotação dos ônibus.

Imagine o que seria isso em tempos de coronavírus. Das duas, uma. Ou os ônibus ficariam superlotados, aumentando o risco de contaminação, ou as pessoas teriam que ficar nos pontos, também amontoadas e sob a mesma ameaça, esperando muito tempo por um ônibus que apareça "mais vazio", o que é impossível.

As pessoas acabariam levando muito tempo para embarcar num ônibus, mas seriam contaminadas com muito mais rapidez, e, sem poder ir para um hospital, isso se agravaria, levando à morte. A "otimização", se fosse implantada hoje, daria numa verdadeira carnificina.

sábado, 21 de março de 2020

BOLSONARISTAS POR ANTECIPAÇÃO, BUSÓLOGOS TÊM QUE ATURAR DECADÊNCIA DO GOVERNO

O "PATRIOTA BUS", DA REDE DE LOJAS HAVAN, DE LUCIANO HANG, COM A PINTURA DA CAMPANHA DE JAIR BOLSONARO PARA A PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA.

O reacionarismo de muitos busólogos, em especial os do Rio de Janeiro - envolvidos em agressões e ofensas pesadas nas redes sociais, que incluiu até mesmo uma página de "comentários críticos" já denunciada ao SaferNet - , já indicava o comportamento padrão dos violentos bolsonaristas, e o apoio a Jair Bolsonaro já era defendido antes do bolsonarismo virar uma moda nacional.

A defesa, com raras exceções, da pintura padronizada dos ônibus - aplicação da lógica do fardamento militar - , remete muito a essa visão reacionária, difundida a partir da iniciativa do tecnocrata Jaime Lerner, então "prefeito biônico" (nomeado pela ditadura militar) de Curitiba, que, sob a desculpa de delimitar pinturas por bairros ou serviços, escondeu as empresas de ônibus através de uma pintura padrão.

Dependendo do caso, a pintura padronizada pode ser igual em diferentes empresas de ônibus, que é o que ocorre na maioria dos casos, mas pode ser diferente numa mesma empresa de ônibus, no caso desta operar em diferentes cidades, regiões de bairros ou tipos de ônibus.

O reacionarismo dos busólogos, principalmente no Rio de Janeiro, é reflexo do crescimento da busologia que ameaçava a supremacia de uma elite que passou a defender a pintura padronizada nos ônibus na esperança de ocupar postos políticos por intermédio de Eduardo Paes e seu então secretário de Transportes, Alexandre Sansão.

As agressões chegaram ao ponto de ir para o pessoal, como humilhar a condição de alguns busólogos serem solteiros, chamados pejorativamente de "virgens". Só que isso era um tiro no pé, porque a agressão, neste sentido, escondia o verdadeiro motivo: os busólogos que xingavam a solteirice de outros haviam falhado na conquista ou na transa sexual nas noitadas e queriam descontar nos outros a mancada pessoal.

E mesmo quando os busólogos que humilham a solteirice dos outros serem casados ou estarem namorando, suas companheiras não têm sangue de barata. Mulher nenhuma gosta de ver marido ou namorado humilhando homens solteiros e, quando sabe dessas agressões, a separação é certa, fazendo com que os valentões tenham o "privilégio" de serem alvo de suas próprias gozações.

As agressões incluíram xingações como "seu m****" que repetiam como se fosse um disco pulando. E os agressores, que inicialmente adotavam um vitimismo chantagista, querendo perguntar quem denunciou suas agressões, tiveram que ser repreendidos até pelos seus pares, depois que outros busólogos foram denunciar um valentão que elevou o tom das agressões e ofendia gratuitamente busólogos emergentes.

O golpe político de 2016, curiosamente, surgiu de um protesto contra aumento de tarifas de ônibus, feito por estudantes três anos antes. Inicialmente, as manifestações não tinham cunho ideológico, mas havia o silêncio generalizado sobre os ônibus padronizados, mesmo quando igualar diferentes empresas de ônibus sob uma mesma pintura confunde os passageiros comuns e favorece a corrupção político-empresarial no setor.

O modus operandi bolsonarista dos busólogos, aliás, faz ignorar ou esnobar a dificuldade que as pessoas comuns, cheias de tantos afazeres, têm em reconhecer as empresas sob uma mesma pintura ou sob a "sopa de letrinhas" dos códigos alfanuméricos. O mais violento dos busólogos agressores chegou a dizer, nas redes sociais, em relação a um ônibus padronizado da Auto Viação Jabour, com arrogância tipicamente bolsomínion: "Até cego sabe que empresa é essa".

O grande problema é que esses busólogos arrogantes pensam que pegar ônibus é como ir a um parque de diversões. Como bolsonaristas por antecipação, eles defendiam causas anti-populares como estas:

1) REDUÇÃO DRÁSTICA DE ÔNIBUS EM CIRCULAÇÃO - A desculpa é fazer o transporte ficar mais rápido, o que é impossível, diante do grande tráfego de veículos nas cidades, que as pistas exclusivas não conseguem resolver totalmente. Os busólogos que defendem essa causa não sabem que uma das maiores revoltas dos cidadãos é a espera prolongada pelo ônibus desejado.

2) DUPLA FUNÇÃO DE MOTORISTA-COBRADOR - Alguns busólogos agressivos fingiam questionar a dupla função do motorista-cobrador (que sobrecarrega o trabalho do motorista, já tendo que se concentrar no volante), mas foi só jogo de cena para agradar membros mais prestigiados.

3) FIM DA LIGAÇÃO ZONA NORTE-ZONA SUL DAS LINHAS CARIOCAS - Achando que Bilhete Único é brinquedo e pegar ônibus é como ir a parques de diversões, os busólogos mais reacionários, alternando entre desculpas "técnicas" - já trazidas pelos tecnocratas da Prefeitura do Rio de Janeiro - e ofensas gratuitas, defendiam a baldeação radical e abusiva dos ônibus municipais cariocas, ignorando que nem todo mundo vai da Zona Norte a Zona Sul para ir à praia.

O golpe político que tornou-se um efeito indireto de um protesto contra aumento das passagens chegou ao bolsonarismo que já era defendido, por antecipação, por uma elite de busólogos, mesmo antes de Jair Bolsonaro virar o "mito".

Mas, agora, com a crise atingindo o governo Bolsonaro, que perdeu uma boa parcela de aliados e ameaça ser tirado do poder - até agora, nada menos que sete pedidos de impeachment foram protocolados pela Câmara dos Deputados - , além de ter perdido o apoio da grande mídia, que agora faz campanha contra o presidente, como ficam os busólogos bolsonaristas?

A situação fica mais ou menos como os bolsomínions estão sofrendo. É uma fase em que os agressores já não conseguem controlar as consequências de seus atos, sofrendo o repúdio até dos próprios amigos e virando até mesmo "vidraça" por conta do exagero de suas agressões.

Isso diz muito ao "bus-sonarismo" ou "bolsologia" que tentavam prevalecer no hobby, mas que em breve será uma minoria de envergonhados, que ignoram o ditado popular que diz: "o feitiço um dia se voltará contra o feiticeiro".

segunda-feira, 27 de janeiro de 2020

CARLOS ROBERTO OSÓRIO ADMITE QUE EMPRESAS DE ÔNIBUS FIZERAM DOAÇÃO DE CAMPANHA


O ex-secretário municipal de Transportes do prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes, Carlos Roberto Osório, em debate realizado com moradores na Ilha do Governador, admitiu que os empresários de ônibus fizeram doações de campanhas para políticos.

Ao lado do ambientalista Sérgio Ricardo, que descreveu tal denúncia, Osório balançou a cabeça de forma convicta e admitiu dizendo "É verdade". Osório também admitiu que as empresas encomendaram um estudo tendencioso para justificar o aumento das passagens.

Osório era secretário quando os ônibus executivos adotaram padronização visual. A pintura adotada era de fundo azul escuro com a palavra "Executivo", que confundia ainda mais os passageiros do que os ônibus urbanos, porque nem a diferença de consórcios era identificada. A pessoa podia pegar um ônibus para o Engenho de Dentro pensando ir para Santa Cruz e, assim, perder tempo e dinheiro.

A pintura padronizada cada vez mais se comprova ser um pano de fundo para a corrupção político-empresarial, na medida em que dificulta às pessoas a identificação visual de uma empresa de ônibus. Com essa dificuldade, os passageiros, além de ter que dobrar a atenção para evitar embarcar no ônibus errado, também têm dificuldade para identificar a empresa que presta mau serviço à população.

Osório tenta livrar-se da culpa e afirma que hoje só tem ele como doador de campanha, através de um fundo de R$ 75 mil. Atualmente ele está no PSDB, enquanto Eduardo Paes está no DEM. Ambos são pré-candidatos à sucessão de Marcelo Crivella na Prefeitura do Rio de Janeiro.

terça-feira, 7 de janeiro de 2020

MOVIMENTO PASSE LIVRE DEVERIA LUTAR CONTRA PADRONIZAÇÃO VISUAL


Os recentes protestos contra o aumento das tarifas de ônibus de São Paulo, organizado pelo Movimento Passe Livre, tirou o grupo do limbo, depois que os acontecimentos derivados do golpe político de 2016, ou mesmo precedentes como as jornadas de Junho de 2013, fizeram o grupo ser confundido com o Movimento Brasil Livre, surgido há sete anos.

O MPL reassumiu uma pauta progressista e continua se manifestando, desta vez contra o reajuste no valor de R$ 4,30 para R$ 4,40. O grupo reivindica transporte gratuito para estudantes e também luta para que seja investigada a corrupção político-empresarial envolvendo sistemas de ônibus.

A atuação é louvável, mas o Movimento Passe Livre comete um gravíssimo erro de não lutar contra a pintura padronizada nos ônibus, tida como uma "verdade absoluta" para o setor. Entendida como um suposto meio de disciplinar os sistemas de ônibus, através de uma lógica moralista e militar vinda do período ditatorial, a pintura padronizada nos ônibus causa dor de cabeça para os passageiros na hora de pegar um ônibus para ir ao trabalho.

Passageiro de ônibus não é turista para ficar pegando ônibus errado a todo momento e gastar Bilhete Único como se estivesse na Disney. Há pessoas ocupadas com o que fazer no trabalho, gente estudando para concursos públicos e provas escolares, gente cheia de compromissos pessoais, gente com muitas contas a pagar, e elas ainda são obrigadas a diferenciar um ônibus de outro, porque todos têm pintura igualzinha.

A ocultação da identidade visual de cada empresa de ônibus, além de aumentar drasticamente os custos das passagens - na Grande Belo Horizonte, isso reflete na hora de uma empresa transferir ônibus semi-novos de uma cidade para outra ou de uma zona para outra na capital mineira - , principalmente se considerarmos a burocracia política para liberar um ônibus novo, ela permite a corrupção político-empresarial que beneficia os envolvidos e precariza o serviço.

Cidades como Florianópolis, São Paulo, Curitiba e Brasília contam com casos de corrupção que se agravaram sob a lona dos ônibus visualmente padronizados. Os escândalos só não vêm a público porque seus empresários acabam "negociando" com a grande imprensa para, ao menos, minimizar a situação, só noticiando matérias "mornas" para fingir imparcialidade, escondendo casos mais graves.

O transporte se mediocriza sob o aparato dos ônibus padronizados e as renovações de frota se retardam, porque precisam da burocracia que inclui autorização das secretarias de transportes, que viraram dublês de gestoras de empresas de ônibus - sob a máscara política dos "consórcios" - , para renovação de frotas. Enquanto isso, irregularidades podem ser permitidas, como deixar que a documentação fosse vencida, em certos casos.

O que o Movimento Passe Livre deve fazer é encampar a luta contra os "ônibus iguaizinhos" e pedir que cada empresa de ônibus tenha sua própria identidade visual, porque é somente isso que deixará o transporte coletivo mais transparente. Liberar a diversidade de pinturas, com cada empresa de ônibus exibindo seu respectivo visual, não acaba com a corrupção no setor, mas permitirá ao passageiro comum a facilidade de identificar a empresa deficitária, em qualquer aspecto.

Portanto, esperamos que o MPL passe a lutar contra a pintura padronizada nos ônibus, em suas próximas manifestações. Isso é de máxima urgência, porque envolve o interesse público.

domingo, 5 de janeiro de 2020

DELAÇÃO DE EX-PRESIDENTE DA FETRANSPOR DENUNCIA EDUARDO PAES


Pré-candidato à Prefeitura do Rio de Janeiro, o ex-titular do cargo Eduardo Paes é acusado de envolvimento em esquema de propinas da Fetranspor (Federação das Empresas de Transportes do Estado do Rio de Janeiro), segundo delação do ex-presidente da entidade, Lélis Teixeira.

As denúncias também citam o atual prefeito, Marcello Crivella, mas apontam que o grosso da corrupção ocorreu justamente na gestão do ambicioso Paes, que atravessou eventos esportivos realizados no Estado, como parte da Copa do Mundo de 2014 e as Olimpíadas Rio 2016.

É claro que acabar com a pintura padronizada nos ônibus não resolve em momento algum a corrupção no setor, mas é justamente confundindo diferentes empresas de ônibus com uma mesma identidade visual que se facilita, ainda mais, a corrupção, quando a sociedade perde a noção de identificação visual que poderia diferir uma empresa de ônibus de outra e permitir o reconhecimento de empresas deficitárias.

E foi essa lógica que Eduardo Paes, que não mediu escrúpulos de ofender os imigrantes e descendentes de portugueses quando, citando uma pintura verde-marrom da Braso Lisboa, criticou a diversidade de pinturas dos ônibus cariocas, teria promovido o esquema de corrupção com os empresários de ônibus.

Segundo Lélis Teixeira, houve um esquema de "caixa dois" que repassou a empresários, entre 2010 e 2016 - época das duas gestões de Paes - um valor estimado em R$ 500 milhões. Pelo menos treze vereadores e outros ex-vereadores teriam também sido beneficiados pelo esquema.

Nessa época, medidas antipopulares para os passageiros de ônibus haviam sido adotadas, como a pintura padronizada nos ônibus municipais. A medida criou um "modismo" que se estendeu em cidades da Região Metropolitana, como Niterói, São Gonçalo, Nova Iguaçu, Campos e Araruama, causando dor de cabeça para os passageiros que já precisam pagar suas contas, estudar para concursos, planejar trabalhos e ainda precisam redobrar a atenção para não pegar o ônibus errado.

Não bastasse isso, outras medidas nocivas vieram. Chegou-se a haver o fim da ligação Zona Norte-Zona Sul e o encurtamento de linhas de ônibus, prejudicando diversos passageiros. Uma passageira chegou a ser assaltada porque esperava o segundo ônibus para voltar para casa. A medida teve que ser revertida através de uma ação judicial, que não viu critérios técnicos para sua implantação.

Na época do fim da ligação Zona Norte-Zona Sul

O legado de Eduardo Paes foi a extinção de empresas importantes como Auto Viação Bangu e Transportes São Silvestre, diminuindo a quantidade de empresas de ônibus e sobrecarregando as já existentes. O serviço piorou consideravelmente e os passageiros reclamam da demora em várias linhas, antes com serviço exemplar, ainda que com eventuais imperfeições.

Por ironia, é justamente o legado de Eduardo Paes que impede que as empresas de ônibus invistam na despadronização visual, porque o ex-prefeito, famoso pelo pretenso populismo falsamente desenvolvimentista, praticamente promoveu a quebradeira das empresas, com o desvio de dinheiro para uma elite de empresários do setor.

Isso faz com que as empresas não tenham dinheiro suficiente para acelerar a repintura e a substituição dos carros, e mesmo empresas como a Viação Acari, que chegou a renovar frota de três em três anos, ainda tem que se virar com ônibus que estão com dez anos de fabricação.

sábado, 21 de dezembro de 2019

BUSÓLOGOS AGRESSIVOS PERDEM O CARTAZ NO HOBBY


É inútil combinar falso vitimismo com sentimento de vingança. Uma parcela de busólogos agressivos, que havia espalhado baixarias e mensagens de intolerância e até envolvidos em blogues de difamação e ofensas - já denunciados à Polícia Federal, por meio do SaferNet - , perdeu o cartaz, abrindo para uma geração mais civilizada de busólogos. Apenas os veteranos que agem de forma respeitosa continuam se destacando na Internet.

Mesmo num cenário favorável a brutalidades nesse sentido, que é o governo de Jair Bolsonaro - que esses busólogos, antes de todo mundo, apoiaram abertamente - , os busólogos mais agressivos, já apelidados de "brutólogos", acabam também pagando a conta da truculência.

Tornou-se inútil fingir bom-mocismo, nas feiras de transporte e mobilidade urbana do país, falar mansinho nos vídeos publicados nas redes sociais, falar com outras pessoas de maneira tranquila e alegre e, nas redes sociais, ficar agredindo os outros e usar pseudônimos para criar páginas ofensivas, gastando o tempo que deveria ser para publicar novas fotos de ônibus.

No Rio de Janeiro, onde houve casos mais típicos de truculência busóloga - sobretudo quando o projeto de sistema de ônibus de Eduardo Paes prometia cargos de assessores na SMTR de Alexandre Sansão, o que impulsionou as brigas dentro do hobby - , era comum o falso vitimismo de busólogos que, quando denunciados, bradavam querendo saber quem é que os denunciou. Diz a anedota que eles eram capazes de crucificar novamente Jesus Cristo se ele fosse autor das denúncias.

A dissimulação tem limites e houve um caso de um busólogo que agrediu todo mundo, espalhou que "sentia nojinho" de fulano e sicrano, criou blogues de ofensas para todo mundo - ele começava ofendendo apenas busólogos emergentes, mas a ideia seria humilhar os grandes, também - e, de tanto ir a Niterói na tentativa de ameaçar desafetos, acabou, na verdade, se espondo a milicianos que fazem ponto na área do antigo Carrefour e que tinham vendedores ambulantes como informantes.

Outros busólogos ficavam xingando os outros de "seu m****" e tinha até um com apelido de fritura, que tentou fazer ofensas até na lista de mensagens do Ônibus Brasil, frustrado com a sua perda de cartaz no hobby.

A antiga autoconfiança que fazia os busólogos mais agressivos sentirem o gosto da impunidade e a falar grosso sempre quando estão encrencados não os impediu de sofrer o desgaste e a desmoralização que os atingem.

Afinal, desrespeitar os outros acaba até mesmo com antigas grandes reputações. De que adianta ser o maioral na busologia se tem pavio curto e fica ameaçando os outros? Além disso, escrever ofensas e xingações nas redes sociais e perder tempo com blogue de ofensas e difamações gera um preço muito caro.

No primeiro momento, o busólogo raivoso acha que as redes sociais são vasos sanitários para despejar seus entulhos mentais contra quem não pensa igual a ele. Mas depois esse busólogo é desmascarado, ele dá piti mas é tarde demais, ele acaba sendo alvo de ódio até daqueles em que ele buscava se apoiar e, traumatizado, ele corre contra o tempo para apagar as mensagens violentas que publicou, depois que cópias delas estão nas mãos de internautas desafetos e até agentes de polícia.

Além disso, o reacionarismo desses busólogos acabou espondo suas posições fascistas e antipopulares defendendo a pintura padronizada nos ônibus do Brasil, que confunde os passageiros comuns na hora de pegar ônibus, a redução de frotas de ônibus em circulação, que obriga os passageiros a ficar mais tempo esperando um veículo, e a dupla função motorista-cobrador, que sobrecarrega o trabalho dos motoristas.

E aí não adianta, da mesma forma, defender posturas antipopulares e inventar que "o povo apoia isso". A falsidade e a agressividade dessa parcela de busólogos contribui mais ainda para agravar o preconceito contra o hobby, bem mais do que o simples fato de curtir ônibus, e um pouco mais de humildade é necessário, assim como o respeito humano.

Também não se pode fazer "humildade de fachada" enquanto agride os outros nos bastidores. E também não se pode pedir respeito dos outros se a outros não se dá esse respeito. É por isso que os busólogos mais agressivos estão perdendo o cartaz e, se eles continuarem com a agressividade, serão obrigados a arcar com as consequências, porque nenhum agressor mantém sua situação sob controle por muito tempo. Respeito é bom e todos gostam. Até mesmo na busologia.

terça-feira, 17 de dezembro de 2019

EMPRESAS DE NITERÓI FALHAM EM LOGÍSTICA NO USO DAS FROTAS


As recentes mudanças das empresas de ônibus de Niterói ocorrem por falha logística, complicando a transferência de linhas e a reposição e renovação das frotas. É o que se vê tanto nos casos das empresas Auto Ônibus Brasília e Expresso Barreto quanto à transferência de linhas da Viação Pendotiba para a Viação Fortaleza e Expresso Miramar.

No primeiro caso, a Brasília perde uma boa oportunidade de renovar tanto sua frota quando a da Barreto, agora associada à outra. Uma transferência arrojada de carros seria uma boa pedida para renovar as frotas sem que uma delas precise jogar seus carros em linhas das outras.

A Barreto conta com uma frota velha. Tem o terrível cacoete de comprar "filhos únicos" - exemplares únicos de modelos de carrocerias - , porque prolonga o tempo de vida dos carros, sem necessidade. Conta com boas linhas funcionais, a 42 Barreto / Terminal, a 42SL Barreto / Centro (Via São Lourenço) e 66 Barreto / Icaraí, mas elas operam, em parte, com carros da Brasília. Enquanto isso, a Brasília coloca alguns carros de piso baixo da Barreto para a linha 61 Venda da Cruz / Vital Brazil.

A solução seria a Brasília passar para a frota da Barreto - com a devida renumeração de carros - os veículos dos modelos CAIO Apache VIP III mais curtos e os da CAIO Apache VIP IV, também encurtados, mas numa concepção mais estranha. Todos esses carros substituiriam os modelos Mascarello mais antigos da Barreto.

Por outro lado, a Brasília deveria receber da Barreto os veículos piso baixo da Comil Svelto 2012, e vender os CAIO Millennium BRT que já estão mais velhos. A empresa deveria vender os modelos CAIO Foz Super, juntamente com os Mascarello da Barreto, e adquirir, pelo menos, mais carros semi-novos da CAIO Apache VIP IV, como os que adquriu em 2018.

Já a Viação Fortaleza tem o cacoete de repor pouco suas frotas, e deixa lacunas na numeração das frotas, o que mostra que a empresa tem menos do que os 48 carros que sugere sua série numérica. Recentemente, teve uma modesta renovação de frota com sete carros, quando deveria ter comprado mais, já que a empresa ganhou mais uma linha, a 37 Parque da Colina / Centro.

A 37 Parque da Colina / Centro é uma das duas linhas que a Viação Pendotiba, provavelmente para pagar os custos elevados dos ônibus de piso baixo, destinados a duas linhas do corredor da Região Oceânica, via Charitas. A Pendotiba também deixou de operar a 40 Maceió / Centro, entregue à Expresso Miramar, mas a empresa também apresenta problemas de renovação de frota.

A Miramar só teve como vantagem um grande estoque de carros nas garagens, assim como a Fortaleza tinha um excedente de carros na linha 53 Santa Rosa / Centro. No entanto, as duas, além de usarem carros curtos nas linhas herdadas pela Pendotiba, ainda precisam operar as mesmas com mais carros que, não raro, andam muito lotados em horários de pico.

A Miramar já enfrentou um problema de ter perdido um carro num incêndio provocado por um protesto de moradores do Preventório. E precisa comprar carros um pouco mais alongados para a linha 40, e, para complicar as coisas, também para a linha 35 Baldeador / Centro, que passou a operar nos fins de semana e feriados.

Espera-se que as empresas atendam essas solicitações, para o conforto dos passageiros niteroienses.